Trending:

Como lidar com as diferenças culturais em compromissos internacionais

A beleza do mundo está na diversidade de seus povos, como diz o ditado, mas os valores que ressoam fortemente em uma sociedade podem ser menos importantes em outra.
Negócios eficazes em um mundo globalizado geralmente requerem uma compreensão dos valores que são marcas registradas de diferentes ambientes culturais, o que vem do desenvolvimento da inteligência cultural.

Definida por um acadêmico como a capacidade de interpretar o comportamento de um estranho da mesma forma que os compatriotas desse estranho o fariam, a inteligência cultural é a plataforma na qual as diferentes partes entendem os valores umas das outras e criam confiança.

Quando bem executada, a inteligência cultural é um fator fundamental para desbloquear novos mercados e conduzir o comércio. Uma pegada internacional estabelecida pode ser um marcador importante de sucesso no crescimento dos negócios, e os nomes publicados nas listas de empresas a serem observadas geralmente estão de olho em mercados estrangeiros novos e maiores.

A perspectiva de mercado do Global Dealmakers 2023, lançada recentemente pela Baker Tilly, é um retrato da globalização dos negócios. Em 2022, cerca de US$ 1,4 trilhão em transações de fusões e aquisições internacionais foram realizadas em setores tão diversos quanto materiais, finanças e bens de consumo básicos.
Mas não é apenas o crescimento financeiro internacional que está em jogo quando se discute a inteligência cultural. À medida que as sociedades mudam por meio da imigração e se tornam mais diversificadas, o insight cultural é cada vez mais necessário em nível doméstico.

Conhecer feriados culturais importantes e saber se devemos nos curvar ou cumprimentar com um aperto de mão são conhecimentos úteis, mas podem ser apenas o começo quando se trata de progredir em uma negociação comercial, expandir um novo mercado de clientes ou interagir com funcionários de diferentes origens culturais.
A consultoria de recrutamento global Mercer conduziu uma pesquisa sobre os valores que os funcionários acreditam que tornam um local de trabalho satisfatório, agrupados por regiões globais.
Ter um senso de pertencimento dentro de um local de trabalho, por exemplo, foi bem avaliado pelos funcionários do Oriente Médio, mas foi menos importante para os funcionários da América Latina.
O oposto foi verdadeiro quando se tratou de liberdade para inovar ou fazer experimentos, que teve uma classificação alta para a América Latina, baixa para o Oriente Médio e nenhuma classificação entre as outras regiões.

A única descoberta consistente em todas as regiões foi a necessidade de os funcionários sentirem que suas contribuições são valorizadas pelo empregador e que a falta de compreensão do que significa valorizar um indivíduo aumenta o risco de um funcionário se afastar ou de um negócio fracassar.
Quais estratégias as organizações utilizam para lidar com essas diferenças culturais e entender os valores das pessoas com quem lidam?
A Baker Tilly explorou essa questão em sua recente conferência Ásia-Pacífico em Auckland, Nova Zelândia, facilitando discussões sobre o papel que a inteligência cultural desempenha no cultivo de oportunidades de negócios e relacionamentos com funcionários.

A Nova Zelândia é um estudo vivo sobre a evolução da cultura, e Auckland, sua capital comercial e maior cidade, com cerca de 1,5 milhão de habitantes, é a personificação dessa mudança.
Em 1991, apenas 5% dos residentes de Auckland se identificaram como sendo de etnia asiática, mas, em 2018, esse número aumentou para 28% e a projeção é de que chegue a 35% em 2038.

Franky Wang é um migrante que fez da Nova Zelândia seu lar depois de chegar de Xangai com 17 anos de idade.
Atualmente, ele é Diretor de Ativação de Negócios Asiáticos no Bank of New Zealand (BNZ) e está envolvido no setor bancário há cerca de 12 anos, observando sua evolução junto com o país que escolheu.

“O objetivo final é criar um lugar inclusivo para viver, mas também colaborar em conjunto, ajudando a apoiar o crescimento”, disse ele aos delegados na Conferência APAC da Baker Tilly.
“Estamos constantemente buscando respostas sobre como lidar com as diferenças culturais e soluções para preencher as lacunas entre as divisões, quando necessário.”
Qual é a estratégia do BNZ para a Ásia? Essa é uma pergunta que já foi feita inúmeras vezes ao Sr. Wang. Sua resposta é simples: “É uma estratégia para mais de 5.500 funcionários do BNZ. Não é apenas para os nossos colegas asiáticos, é uma estratégia para cada um de nós no BNZ”.

Para o Sr. Wang, o sucesso começa com a construção de relacionamentos profundos, do tipo que pode levar meses e anos para ser forjado, e ele aproveita as fortes redes profissionais. Isso não é uma grande revelação, mas é um vislumbre da mentalidade – a inteligência cultural não pode ser alcançada da noite para o dia.
O Sr. Wang disse que um melhor envolvimento com a Ásia e com os asiáticos na Nova Zelândia foi uma estratégia deliberada implementada pela primeira vez há quatro anos e que se tornou um ponto de virada para o BNZ.

“Essa é a maneira de criarmos um ecossistema, por meio da influência que acreditamos que beneficiará os líderes empresariais e os clientes, fazendo com que nosso país cresça”, disse ele.
Fazer negócios na região da Ásia-Pacífico, diz Wang, é “culturalizar o comércio, não comercializar a cultura”.

“Quando queremos fazer negócios na Ásia, não estamos enviando advogados ou contadores primeiro”, disse ele.
“Enviamos nossos embaixadores culturais. Começamos a entender como essas culturas vivem e respiram. Depois, começamos a falar sobre oportunidades de negócios.”

O relacionamento comercial entre a China e a Nova Zelândia é uma dessas histórias que continuou a gerar benefícios à medida que os laços se fortaleceram.
A Nova Zelândia foi um dos primeiros países desenvolvidos a assinar um acordo de livre comércio com a China, que entrou em vigor em 2008.
O resultado foi uma explosão do comércio, com a China respondendo por 62,5% do crescimento das exportações da Nova Zelândia na última década, que subiu para mais de 70% nos últimos cinco anos.

Embora a China seja agora o principal destino das exportações da Nova Zelândia, enviando US$ 22,5 bilhões em mercadorias em 2021, a Nova Zelândia também importa US$ 10,2 bilhões da China.
O TLC ( Ttatado do Livre Comércio) certamente estabeleceu as bases para o estreitamento dos laços comerciais, mas a importância da percepção dos líderes empresariais para lidar com as diferenças culturais não deve ser negligenciada.
O Sr. Wang reconheceu a força do comércio com a China, mas observou a importância da diversidade econômica, principalmente em uma nação pequena como a Nova Zelândia.
“Como podemos aprender com a história de sucesso da China e aplicá-la em outros mercados da Ásia?”, disse ele.
“Há oportunidades inexploradas na região da ASEAN, na Malásia, Cingapura, Indonésia e também no Vietnã. Há muita fin-tech (tecnologia financeira) vindo da comunidade vietnamita.
“É por isso que a orientação e a defesa são importantes. Para nosso pessoal, e nosso ponto de diferença, é que entendemos o sistema bancário e entendemos as diferenças culturais.
“É assim que combinamos a inteligência cultural com nossas ofertas de serviços bancários e financeiros.”

“Quando queremos fazer negócios na Ásia, não estamos
enviando advogados ou contadores primeiro.” – Franky Wang

As oportunidades para os negócios são muitas, mas a inteligência cultural é um processo lento que começa com a cultura da organização que o conduz. Sem uma visão ousada e a coragem de evoluir, os esforços para superar as diferenças culturais podem parecer simbólicos.

“Não sou um grande fã de banqueiros asiáticos que trabalham com clientes asiáticos, mas isso é isolado por meio do sistema bancário asiático; precisamos seguir em frente”, disse ele.
“A capacidade bilíngue que oferecemos é que podemos trabalhar com todos, com uma inteligência cultural muito forte para navegar e resolver problemas.”
O aproveitamento eficaz da inteligência cultural e a compreensão de valores diferentes podem preencher as lacunas de diversidade, agregar valor por meio da inovação e atingir metas estratégicas. Mas, apesar de todos os seus benefícios, é preciso coragem para reconhecer exatamente a posição cultural de uma organização, bem como uma visão clara para realizar a mudança necessária para crescer.
A conscientização das visões culturais existentes e o reconhecimento das atitudes em relação às diferenças são os primeiros passos fundamentais para a inteligência cultural.
“Precisamos ter as pessoas certas com a capacidade certa nas funções certas e, às vezes, isso não é tão fácil”, disse o Sr. Wang.
“Às vezes, isso significa ter conversas honestas. É difícil, porque muitas pessoas podem ter a paixão, mas não têm a estrutura necessária para gerar resultados comerciais desejáveis para você.
“Então, temos que ter essas conversas de negócios sobre ter uma forte inteligência cultural, conversas que capacitem e pintem esse quadro para as diferentes estruturas necessárias, para entender que nem todo mundo é igual.”

Conteúdo em Destaque