A Importância Do ESG No M&A

A importância do ESG no M&A

Os Fatores ESG, ambientais sociais e de governança, agora são vistos como importantes direcionadores de valor para os investidores, além de serem essenciais para os valores corporativos e expectativas de reputação.

A diligência, avaliação e gerenciamento eficazes das considerações ESG são etapas críticas que as partes devem seguir para mitigar o risco, alcançar resultados benéficos, sinergias e executar as transações com sucesso.

Este artigo explora os principais fatores ESG que estão influenciando cada vez mais as transações de M&A, bem como as ações que as partes podem realizar para identificar e lidar com os riscos ESG com eficácia – e como os compradores podem capitalizar as oportunidades ESG apresentadas por uma empresa-alvo.

Principais motivadores do foco ESG no M&A

Mitigação de risco de transação

Identificar e compreender os fatores ESG em jogo é um aspecto crítico da avaliação dos riscos e benefícios potenciais de uma transação. A ampla gama de fatores significa que riscos e oportunidades podem surgir de muitas áreas.

Por exemplo, os compradores vão querer avaliar se uma empresa-alvo:

  • se envolve em práticas ambientais adequadas;
  • tem planos proativos de adaptação à mudança climática e redução de gases de efeito estufa;
  • opera sem práticas trabalhistas inseguras ou abusivas;
  • tem um histórico satisfatório de direitos humanos e envolvimento da comunidade;
  • possui práticas suficientes de proteção de dados, privacidade e anticorrupção;
  • e tem uma reputação de conformidade legal e regulatória satisfatória em geral.

As operações e cadeias de suprimentos no exterior podem frequentemente aumentar o risco de transação, especialmente em países em desenvolvimento.

Muitos grupos de defesa dos direitos humanos, sociais e ambientais são bem organizados e bem financiados para chamar a atenção para as deficiências em ESG e iniciar campanhas que podem resultar em danos significativos à reputação.

Além das consequências comerciais e de reputação, existem cada vez mais riscos legais, regulatórios e governamentais diretos e indiretos para as partes da transação que podem surgir de:

  • decisões judiciais recentes no sentido de que as empresas podem ser responsabilizadas por suas operações no exterior;
  • os riscos físicos e transitórios associados às mudanças climáticas, especialmente à medida que os impactos climáticos se intensificam, novos regimes de precificação de carbono são adotados e os regimes existentes impõem preços de carbono mais altos;
  • legislação que impõe requisitos de divulgação e responsabilidade por questões de cadeia de suprimentos relacionadas a direitos humanos; e
  • no caso de empresas do setor extrativista e de recursos naturais, falha em relatar pagamentos a governos e funcionários públicos (nacionais e estrangeiros).

Questões de reputação, fiduciários e valores corporativos

Muitos fatores ESG funcionam para servir como reflexos diretos da cultura e dos valores corporativos essenciais, o que significa que a falha em tomar as medidas adequadas para abordar os fatores ESG pode ter um impacto desproporcionalmente negativo na reputação das organizações.

Por esse e outros motivos, a consideração desses fatores também está ganhando maior foco para os diretores corporativos no desempenho de suas funções fiduciárias e no exercício de suas responsabilidades de governança.

Ao avaliar e aprovar uma transação, os conselhos devem procurar entender os riscos ESG associados à transação, os mitigantes que a administração está se propondo a adotar, e garantir que a administração implemente processos de relatório para que a abordagem da organização possa ser monitorada de forma eficaz.

As empresas estão investindo pesadamente em suas estruturas ESG e na implementação de padrões aprimorados. As transações de M&A serão avaliadas quanto à consistência com essas expectativas e critérios.

Códigos corporativos de conduta e diretrizes de integridade têm se tornado cada vez mais focados em ESG e muitos fazem referência expressa aos Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Negócios e Direitos Humanos, que incluem devida diligência em direitos humanos, etapas para prevenção e ação corretiva e um fórum confiável para reclamações.

A responsabilidade pelo cumprimento das prioridades ESG está se refletindo nos scorecards de desempenho corporativo e nas decisões de remuneração executiva das empresas.

Foco do acionista

As questões ESG são agora mais importantes do que nunca para os acionistas e ativistas públicos no contexto de transações de M&A.

Riscos não resolvidos e danos à reputação resultantes podem causar falha de um comprador em obter as aprovações necessárias dos acionistas para uma transação e servir como um catalisador para campanhas ativistas (e potencialmente até litígios) que podem impactar uma empresa muito depois de uma transação proposta ser abandonada ou concluída.

Por outro lado, empresas com uma forte reputação e que tomam medidas proativas para gerenciar riscos ESG têm mais probabilidade de receber maior apoio para se envolver em transações de M&A por seus acionistas.

Relatórios ESG

Devido ao crescente foco do investidor na transparência e na evolução dos requisitos regulatórios, as empresas públicas estão cada vez mais achando necessário fornecer informações mais detalhadas sobre suas práticas e procedimentos ESG, inclusive em relação aos negócios adquiridos.

Portanto, os adquirentes estão se tornando mais focados em sua capacidade de cumprir tais requisitos de divulgação e no risco de responsabilidade por distorções ou omissões em questões ESG.

Da mesma forma, os credores estão cada vez mais incorporando obrigações de divulgação ESG como condições de seus contratos de empréstimo. Isso, por sua vez, é provável que forneça mais um imperativo para a diligência, gestão e monitoramento apropriados de riscos em transações de M&A.

Abordando ESG em transações de M&A

A seguir estão várias etapas concretas que as partes podem tomar para abordar o ESG em suas transações de M&A e as questões mencionadas acima.

Proteções contratuais

Ao negociar acordos de transação, os compradores devem considerar se os riscos materiais identificados por meio do processo de diligência podem ser mitigados por meio de proteções contratuais.

As representações e garantias padrão abrangendo amplamente as questões habituais, incluindo conformidade legal, regulatória e ambiental, podem oferecer proteção significativa. Os compradores também podem considerar representações e garantias mais específicas com foco no ESG.

Por exemplo, representações e garantias podem ser incluídas em relação à conformidade com códigos ou princípios específicos que o alvo se comprometeu a cumprir voluntariamente.

Outras representações e garantias especiais relacionadas a questões ambientais, de direitos humanos e mudanças climáticas e/ou problemas ESG específicos experimentados pelo alvo também podem ser considerados.

Outras disposições a serem consideradas incluem cláusulas especiais de pré-fechamento que exigem relatórios detalhados e divulgação de quaisquer novas questões ESG que possam surgir e, no caso de transações de empresas privadas, acordos especiais de indenização para questões ESG conhecidas.

Integração pós-fechamento

Após o fechamento do negócio, é essencial que o ESG continue sendo um forte foco do plano de integração do adquirente. Outra prioridade principal será garantir que a cultura da meta de conformidade ESG atenda às expectativas do adquirente.

O adquirente deve garantir que as políticas ESG apropriadas de escopo e padrão equivalentes sejam implementadas pela empresa alvo, comunicadas de forma eficaz aos funcionários, acionistas e partes interessadas relevantes e aplicadas pela administração.

Uma fusão ou aquisição também pode apresentar a oportunidade para o adquirente de aproveitar as melhores práticas do alvo, se as políticas e realizações ESG forem mais fortes em certas áreas, ou para aproveitar as oportunidades relacionadas com ESG apresentadas pela reputação e desempenho do alvo na área.

Preparando para o M&A baseado no ESG

A consideração e o gerenciamento apropriados de questões ESG passaram a ser uma área de importância crítica para as transações de M&A.

As partes que podem identificar, abordar e monitorar de forma proativa os riscos ESG (bem como as oportunidades) provavelmente terão mais sucesso na conclusão de transações que contribuirão para o valor de suas organizações a longo prazo.

E para te ajudar nessa empreitada, a Baker Tilly conta com um time de especialistas capazes de oferecer o melhor suporte para preparar sua empresa para esse cenário.

Entre em contato conosco e entenda como podemos moldar o futuro da sua empresa hoje.

Quer saber mais sobre este e outros assuntos? Acesse nosso blog e mantenha-se atualizado.

 

×Close search
Buscar